Blog posts

3 passeios de bicicleta no Atacama

3 passeios de bicicleta no Atacama

Chile, San Pedro de Atacama

O Atacama é conhecido pelas paisagens lindas, mas que são acessíveis apenas com tour. Mentira! Dá pra economizar e ainda fazer aquele exercício ~dá-lhe pernas~ fazendo os passeios de bicicleta no Atacama.

Quanto custa alugar uma bicicleta no Atacama?

A cada esquina tem uma agência, mas, em geral custa de CLP 3000 a 5000 o aluguel por um período e de CLP 6000 a 10000 o dia completo.

Você só vai precisar deixar um documento – RG ou passaporte – como garantia para a devolução da bicicleta.

Andando por aí de bicicleta no Atacama
Andando por aí de bicicleta no Atacama

Cuidados básicos

Não se esqueça de alugar a bicicleta e checar o kit de segurança e reparação.

Lembra que eu falei que a saúde é cara no Chile? Pensa em San Pedro de Atacama…

Capacete, bomba, câmara reserva, cadeado e um mapinha são coisas essenciais no aluguel. Não saia sem!


Use os nossos parceiros para viajar tranquilo e ajudar o OMMDA:

BookingReservando com esse link aqui da Booking, você não pagará nada a mais por isso e nos ajuda (e muito) a manter o blog!

Anonymous-aiga-first-aid-bg-300px A Real Seguros é um comparador de Seguros Viagens e com o nosso link você já ganha 10% de desconto em qualquer compra!


De bicicleta no Atacama nível básico – Pukará de Quitor

É pertinho de San Pedro e são apenas 4 kilômetros de bicicleta (bem pertinho, dá pra fazer a pé também). São ruínas pré-incas e um lugar cheio de história: foi o local onde os espanholes consolidaram o domínio sobre os índios atacameños.

Vale a pena ir a tarde, aproveitando o passeio e curtindo o pôr do sol por lá – o céu sempre fica lindíssimo!

O fim de tarde no Atacama é de brilhar os olhos sempre!
O fim de tarde no Atacama é de brilhar os olhos sempre!

De bicicleta no Atacama nível médio – Valle de la Muerte e Valle de la Luna

A entrada do Valle de la Muerte fica pertinho de San Pedro – 3 kilômetros da cidade. Pode ser uma boa alugar também uma prancha de sandboard, o Valle de la Muerte é ideal pra brincar na areia!

O Valle de la Luna lindão, só pra você!
O Valle de la Luna lindão, só pra você!

Mas não se canse tanto, depois tem mais uns bons kilômetros até o Valle de la Luna, que fica a 15 kilômetros de San Pedro. O pôr do sol por lá é um clássico, tão clássico que lota de gente… Se fizer questão de ficar até o fim da tarde, não se esqueça de ir com uma lanterna porque o caminho da volta vai ser complicado pelo escuro.

De bicicleta no Atacama nível hard – Laguna Cejar 

No meio do deserto, um pouco mais de 18 kilômetros de San Pedro, o caminho é relativamente sem inclinações, mas sem sombra nenhuma no caminho – o que, somado com a distância, pode ser um complicador.

O ideal é ir pela manhã, pra pegar a Laguna vazia e ter bastante tempo para voltar.

Mas se quiser ir em tour também dá! Os detalhes da Cejar estão nesse post aqui!

Recomendações extras e essenciais para sair de bicicleta no Atacama

  • Água. MUITA ÁGUA! Pelo menos dois litros para o Valle de la Luna e Laguna Cejar.
  • Comida – frutos secos e coisas não muito salgadas. Você já vai se desidratar bastante com o sol e o exercício, não precisa comer nada que vai te desidratar ainda mais.
  • Não ir sozinho. O deserto te engana e se perder pode ser fácil. Em grupo é mais difícil de errar.
  • Boné e protetor solar são seus melhores amigos!
  • Aclimatação é importante, nada de fazer esses passeios nos primeiros dias!
Se perder por aí vale também, só não se esqueça de se perder com um mapa, rs...
Se perder por aí vale também, só não se esqueça de se perder com um mapa, rs…

E tem várias outras opções também, só se animar, alugar a bicicleta e explorar! O Atacama não precisa ser só tour 😉

About the author

Viciada em viajar, mas que sossegou - só um pouco - no Chile pra abrir um hostel. Já esteve em 9 países e 90 cidades fora do Brasil. Não sabe nadar (mas sabe andar de bicicleta). É facilmente comprável com doces e bom café. E é mão de vaca (isso é um dado importante).

24 Comments

  1. Paula Augot
    30 de julho de 2016 at 13:48
    Reply

    Camila, eu adorei as dicas! Mas eu acho que para mim teria que ser o nível básico tipo Pukará de Quitor, porquê mesmo sendo levinho, eu não me sinto bem quando está quente demais, mas parece bem legal o passeio.

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:21

      Mas de qualquer jeito o bom é começar por esse, aí já dá pra avaliar também a reação do corpo a altitude, que é bem pessoal mesmo…

      Obrigada pelo comentário 🙂

  2. Douglas Agostineli
    30 de julho de 2016 at 20:37
    Reply

    Que passeio bacana!! De bicicleta vc consegue sentir o ambiente e consegue chegar mais longe. Ótima dica!!

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:14

      É uma delícia! Eu adoro andar de bicicleta, ainda mais se a paisagem ajuda 🙂

  3. Francisco Agostinho
    31 de julho de 2016 at 06:29
    Reply

    Olá Camila !
    Que bela ideia, adorei o teu post, obrigado pela dica. Sem dúvida a américa do sul aguarda por nós !!

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:08

      Pode vir que vai adorar! E pra qualquer roteiro na América do Sul, o Atacama é indispensável!

  4. Luciana Rodrigues
    31 de julho de 2016 at 07:56
    Reply

    Esses posts sobre o Atacama estão ótimos hein! Mas para curtir essa dica de passeio ainda tenho que aprender a andar de bike kkkkkkk. Tá na minha #bucket list

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:07

      Não vou te zuar por isso porque eu também tenho uma parte complicada na Bucket List: não sei nadar! hahahah

  5. Ana Christ
    31 de julho de 2016 at 13:52
    Reply

    Já comentei isso aqui mil vezes, mas falarei de novo: estava com o braço quebrado no Atacama! rs Por causa disso, não pude fazer os passeios de bike e fiquei decepcionada!
    Um motivo pra voltar, né? 🙂
    As fotos estão linda, Camis!
    Beijo

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:07

      Ana = a mochileira zicada! Vai ter que ir de novo e fazer tudo que o braço quebrado não permitiu 🙂

  6. Catarina Leonardo - Viajar pela história
    31 de julho de 2016 at 18:19
    Reply

    Olá 🙂
    Uma outra perspetiva e forma de viajar uma zona tão falada. Deve valer muito mais a pena. Obrigada pelas dicas.

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:04

      Vale sim! Me arrependi de não ter alugado uma bicicleta na primeira vez que eu fui… na última eu pude corrigir isso e foi ótimo 🙂

  7. angie
    1 de agosto de 2016 at 10:04
    Reply

    djezus n ia sobreviver na bicicleta, se andando já é treta com a altitude, imagina pedalando no solão aheuahe #ripangie
    mas é legal saber q é possível visitar os lugares de bike!

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:04

      Po, esse até o Pukará eu tenho CERTEZA que vc aguenta!

  8. Marta Chan
    1 de agosto de 2016 at 10:15
    Reply

    Que roteiro mais bacana, adoro andar de bicicleta enquanto exploro os diferentes países. As fotos são de cortar a respiração! Obrigada pelas dicas, achei este post bastante informativo, é isso mesmo que buscamos quando estamos a planear a próxima viagem.

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:03

      Obrigada pelos elogios 🙂 mas aceito só uma parte, já que o Atacama merece 90% deles 😉

  9. silvania
    11 de setembro de 2016 at 12:47
    Reply

    Camilaaaa, help me estou indo sozinha, tem algum grupo de bike que sai com guia diariamente? seria uma boaaaaaaa

    • Camila Lisboa
      12 de setembro de 2016 at 19:32

      Oi Silvania! Não me lembro de ter visto guia pra isso, mas olha… se você for no Pukará, não tem erro, pode ir sozinha mesmo… Mas pros outros eu recomendo fazer em grupo sim… e não se preocupa, nos hosteis vc sempre arruma alguem que encara a ideia c vc 🙂

      Beijooo

  10. wilson
    6 de fevereiro de 2017 at 12:06
    Reply

    Olá Camila talvez possa me ajudar/recomendar uma empresa especializada em tour de bike por aí para um programa de seis dias com logística/aluguel de bike etc…Estou em SP e a empresa que faz este programa está sem data definida para este ano e eu gostaria de ir ainda no primeiro semestre.Grato, Wilso

    • Camila Lisboa
      13 de fevereiro de 2017 at 12:18

      Puxa, não conheço =/ Como só fiz passeios por dia em SPA aluguei em uma agência por lá mesmo.

      Quer tour você quer? Algum específico?

  11. jansen
    23 de abril de 2017 at 11:32
    Reply

    Camila. Qual o itinerário para se chegar a Atacama?
    Sairei do Rio de Janeiro. Existe hostel em Atacama? Ou vc recomenda ficar em outra cidade?

    • Camila Lisboa
      23 de abril de 2017 at 16:23

      Oi Jansen 🙂

      Tem hostel no Atacama sim, San Pedro é um pueblito muito movimentado e é a melhor opção pra quem vai! Eu errei TODAS as vezes que fui, mas dá uma olhada nesse post aqui que dou umas dicas.

      E pra ir desde Santiago, ou pega um voo até Calama (a LATAM e a Sky fazem o trajeto) e um transfer pra San Pedro, ou um ônibus direto – de 24 horas – pela Turbus.

      Qualquer dúvida, só perguntar!

      🙂

  12. Juliana
    3 de junho de 2017 at 00:02
    Reply

    Ola Camila tudo bem? Eu e meu namorado estamos programando uma viagem ao deserto em outubro. A idéia da bike é fantástica já que amamos andar de bike. É permitido ir sem guia para qualquer passeio no deserto? As estradas são bem sinalizadas? Adoramos o post!

    • Camila Lisboa
      8 de junho de 2017 at 18:13

      Pode ir sem guia sim! quando aluga a bike, as agências passam um mapa que é bem detalhado pra você chegar nos lugares 🙂

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *